05 março 2017

Dividir para somar! :)

Depois do último texto, me perguntei como pude ficar tanto tempo sem escrever aqui no blog. Recebi tantos comentários queridos, tanta gente me elogiando, Fofuxos e Fofolétis dizendo que se identificaram com minhas palavras, alguns disseram que também passaram/passam por momentos de introspecção, uns ficaram surpresos por eu me expor daquela forma, outros disseram que estavam só por aquele texto, o START de 2017!
No Brasil, dizem mesmo que o ano começa só depois do Carnaval... acho que estavam aguardando eu por meu Bloco na rua, para pular igual pipoca, mandar o baixo astral embora, levantar poeira, rodar a baiana, exibir a alegria e começar!
Só acho! ;)

Eu nem sei quem ganhou com isso, se vocês que dedicam tempo para ler ou se eu que escrevo as linhas por aqui.
Na verdade sei sim, obviamente fui eu!
Eu ganho quando aceito despir minha timidez, quando deixo a vergonha de lado e escrevo sem papas na língua. Ganho e muito!
Ganhei combustível para ir bem longe. Ganhei palavras de incentivo, ganhei colo, fui mimada.
Reforcei certezas de que sempre alguém estende a mão quando preciso, de que amigos podem ficar em silêncio, podem morar distante, mas se amigos são, estarão ali(aqui também), torcendo para me ver de pé, torcendo para que eu siga meu caminho, supere os obstáculos e faça uma linda trilha com os pedregulhos.
Amigos moram no coração e eu tenho tantos, que já nem são casinhas, já dividimos um arranha céu chamado Querer Bem.
Obrigada vocês todos!
Família, Amigos, Fofoxos e Fofolétis (como carinhosamente chamo os apreciadores desta casinha), desconhecidos, curiosos... Obrigada para quem só leu e para quem deixou recadinho aqui, no Facebook, no Whatsapp, Messenger, email.
Vocês são IN-CRI-VEIS. Que eu consiga ser capaz de fazer em dobro, o bem que vocês me fazem.

E, depois desse blábláblá quero dividir fotinhos de bastidor (literalmente) e costuras 'fofolengas', dividir um pouco do que sai aqui do meu Atelier Caseiro, um pouco do que eu amo produzir.
Abaixo, o nome Helena bordado com ponto atrás e depois costurado num saquinho que acomoda todo kit bebê.


O kit tem envelope para guardar documentos e caderneta de vacinação, ursinho de tecido para decorar o quartinho, toalha aveludada personalizada com ponto cruz e babador.
No detalhe, a ursinha e na sequência os botões de pressão, sendo aplicados com o balancim.

Os meninos também ganham kit, este com bichinhos do safari e azul foi para o Leonardo e a cliente deixou a escolha do tecido por minha conta.
Que risco!
Adoro fazer combinações menos clássicas e mais inusitadas. :)
 
 
O kit da Giulia, foi com um floral em tom pastel, super delicado e bem romântico, com flores compondo a fotografia final.
Afinal de contas, o Atelier Caseiro tem aquele nível 'frescurinha', um charme, um mimo... Ah como gosto disso!
Gosto de dividir este mundo encantado com vocês.
 
 
 
O Matheus ganhou um kit com um tecido que é meu xodó: verde água com poá e coroas em dourado.
Tão cheio de presença! Tão imponente, tão real para os pequenos que começam a vida neste Reinado louco e cheio de surpresas.
 
Para a Laura, já foi diferente. A pequena passou da fase de usar babadores e começa sua vida escolar no maternal. Então, a cliente solicitou toalhinhas com o nome personalizado, bastante úteis na escola, em passeios, em casa mesmo. Para dar graça fiz o saquinho bordado e acrescentei o entremeio de linho clássico e atemporal. Um kit diferente, um presente de aniversário diferente, mas que adorei confeccionar. 

Que comece a semana e que venha linda!
Tenho uma penca de entregas para fazer, uma lista de coisas para produzir, outra lista para dar conta e muito sorriso para exibir no rosto.
Tenho mais papo para partilhar aqui, mais fotos para dividir com vocês, mais dias para recomeçar a cada amanhecer.
Vamos juntos, de mãos dadas? ;)

27 fevereiro 2017

(Re)Começando... De novo!

Olá Fofuxos e Fofolétis, tem tanta poeira acumulada neste blog que quase engasguei ao abrir a página. Cof, cof, brincadeiras a parte, senti saudade.
Sim, eu sei que no último post falei sobre (re)começar, sobre a vontade de escrever com mais assiduidade por aqui e contar os bastidores do Atelier Caseiro, da rotina de costura, fotinhos com os cafés que regam os meus bordados, minhas unhas pintadas segurando o bastidor, as bobagens que passam pelo meu pensamento, as costuras que dão errado e outras tantas que dão certo. 
No fim, morri na intenção e não escrevi com regularidade. Aliás, depois daquele texto, não escrevi mais nada aqui. A instantaneidade de outras redes sociais, por vezes torna a notícia mais ágil mas, eu realmente gosto de conversar com os admiradores do meu trabalho e escrever no blog ainda é um bom meio para isso.
Muita coisa acontece nas 24 horas do dia desta casinha e ainda mais na minha vida!
É tudo junto e misturado.
Meu coração pulsa igual planilha de produção, minhas ideias aceleram como máquina industrial e por vezes minhas ações embolam no meio de campo como nos dias em que a agulha quebra, a linha arrebenta, a máquina de costura dá o último suspiro no limite do prazo de entrega e eu viro abóbora.  
Pois então, falhei na tentativa anterior de retomar a escrita aqui no blog. Quem nunca? Eu, de vez em quando falho.
Não, não gosto de admitir, nem me vanglorio por isso, aos teus olhos podes ter a impressão de que aqui tudo é perfeito, que habito a bolha encantada do mundo craft, aquele mundinho colorido, fofo e cheirosinho que beira a perfeição, com glitter brilhando por todo lado e pó de pirlimpimpim sanando todos os perrengues. Nãnãninanão...
Minha casa, tua casa! É mundo real, é vida como ela é.
Tem perrengue.
Problema, boletos, compromissos, prazos...
Tem cansaço, tem desgosto(felizmente bem poucos), tem dias com preguiça de prestar contas do que acontece nesta casinha. E ok, hoje entendo que não preciso prestar contas de nada, nem a ninguém, que tudo bem não falar do que estou produzindo, a vida seguirá e lindamente mesmo sem fotografias.
Nem todo assunto preciso partilhar ou emitir minha humilde opinião e mesmo assim,  os assuntos vão mudar e se renovar como acontece diariamente nas páginas dos jornais. Por vezes, o silêncio também é sábio.  
Mas, resolvi escrever de novo e farei isso todas as vezes que achar válido.
Sou persistente(as vezes teimosa), mas enquanto houver seguidor pedindo para que eu escreva aqui, eu publicarei meus textos no ritmo que o pandeiro ditar. 'Bóra aproveitar estes dias de carnaval e por o bloco na rua, afinal de contas, março está batendo na porta. Então, vem comigo porque hoje é dia de textão.
Te prepara, puxa a cadeira, pega um café ou uma gelada, te acomoda, dá uma batucada na mesa, faz aí teu melhor ziriguidum que não eu tenho samba no pé, mas meu samba tem enredo.

 
A pergunta que não quer calar: Está tudo bem com o Atelier Caseiro?
Sim, tudo ótimo e assim seguirá.
Tecidos lindos, as tesouras afiadas, o ar condicionado no modo iglu garantindo conforto nestes dias tórridos de verão. Produção acelerada, um cronograma com aulinhas temáticas sendo planejado com todo carinho, bazar em abril marcado.
Estoque crescendo...
 
É bem verdade que segurei um pouco o ritmo maluco e até inconsequente que estabeleci para a produção, por muito tempo aguentei a vida workholic, mas estava insano e faltavam muitas horas no meu dia. 24 horas já não era suficiente e ficou difícil aguentar, comecei a me sacrificar, o desgaste bateu e eu estava um bagaço, trabalhando sem curtir, dormindo muito mal, acima do peso, barangando e malhando aos trancos e barrancos porque sempre estava cansada e fazendo quase nada além de trabalhar. E diante disso, vem a pergunta secundária...
 
Ana Paula tudo bem contigo?
Sim, hoje sim!
Na última vez que escrevi aqui, comentei que o checkup médico 2016 estava ok mas precisaria monitorar as 'pedrinhas' que moravam na minha vesícula. Escrevi no final de abril, duas semanas depois internei com urgência no hospital para retirar a tal da vesícula que doía loucamente. Uma dor absurda e sem precedentes de me fazer gritar: Para o mundo que eu quero descer! Para, a-go-ra! 
Entrei no hospital as 6 horas da manhã e uma hora depois já estava apagada no bloco cirúrgico. Presentão de aniversário foi ter alta, pontos, curativos, uma cicatriz nova, dias de descanso forçado e restrição alimentar temporária. Tacinha cheia e docinhos, nem pensar.
Fui obrigada a descansar o corpo mas a cabeça fervilhou com planos, ideias, projetos, decisões e alguns medos. Passou o pós operatório, nunca mais tive dor nenhuma e o checkup 2017 está ok. :D
 
Mas, se a recuperação foi assim, tão rápida, por que tanto tempo em silêncio? 
Não teve segundo semestre no ano passado? Costuras? Fotinhos?
O que mudou?
Na casinha, nada.
Teve muita correria no segundo semestre. Teve reforma. Teve bazar. Teve Culinária com Amor e os bolinhos Noite Feliz... Teve tudo e foi lindo!
O trabalho seguiu bem acelerado, só não teve relato por aqui.
 


 
Mas, houve mudança, eu mudei.
Eu, Ana Paula mudei bastante neste último ano. Mudei pensamentos, mudei aparência, mudei crenças... Acreditei em coisas novas e desacreditei de umas velharias.
Mudei bastante e estou feliz com as mudanças que venho adotando.
Mudar por necessidade, as vezes é difícil. Mudar por algo que foge do próprio controle, desestabiliza(e muito). 
O fato é que mudanças nunca me assustaram, ainda mais quando são opção. Por opção, quase sempre é bom mudar, são alterações desejadas e bem vindas. Experimentei algumas mudanças significativas ao longo dos anos e várias mudanças bestinhas...
Já mudei de cidade...
Já mudei de um emprego formal, para ser proprietária de um atelier.
Mudei porque perdi pessoas importantes na minha vida.
Mudei porque dar cabeçada na parede não me levou a lugar nenhum...
Mudei porque cada mudança é uma nova chance de melhorar, de se reinventar, de aprender que diferente, pode ser melhor. 
Já mudei a opinião sobre tecido favorito, sobre prioridade, sobre coisas que aprendi...
Já fui loira, fui morena.  Já tive cabelo longo e mais curto.
Já tive a cor do pecado no verão e a brancura neve no inverno.
Já tive dentes com aparelho e há algum tempo sem. Sem aparelho né gente, mas com os dentes alinhados na boca.  
Já tive telefone com fio e hoje tenho celular que faz muito mais do que uma ligação...
São tantas coisas que mudei, que eu poderia fazer de cada mudança uma ala de escola de samba.
 
Vou poupá-los, mas como hoje o post é 'tudão', é para colocar o papo em dia e abrir o coração, acho relevante compartilhar a maior mudança deste último ano, que me deixa orgulhosa, que me desafia, que me faz correr atrás de metas, que me exige superação, consciência e um pouco de tempo:
Cuidar de mim!
Então é isso, tenho sido mais importante do que todo resto.
Tenho me colocado a frente do meu trabalho, tenho me encarado de frente e tenho tentado melhorar a cada dia.
Tenho realizado meus desejos, tenho experimentado outros caminhos e percorrido algumas trilhas.
Tenho superado obstáculos e toda vez, descubro que superá-los é sempre mais fácil do que eu imaginava.
Tenho (re)descoberto uma Ana além da profissão.
Uma Ana mais capaz de conciliar atividades.
Uma Ana com deficiência de vitamina D e querendo mais sol. Mais luz, mais vento na cara.
Uma Ana com trilha sonora mais eclética.
Uma Ana disposta a desfilar por aí, sem samba no pé, mas alto astral.
Uma Ana  Paula mais Ana e menos Atelier Caseiro e tem sido bom me descobrir assim.
Amo o que eu faço! e seguirei nutrindo esse amor, porque isso me realiza!
Quando escolhi a Psicologia para ser minha profissão, quis cuidar das pessoas, do mundo. 
Quando abri o Atelier Caseiro quis criar um mundo mais 'fofolengo'.
Quando agrego ou reclamo com minha família quero melhorar a relação e aumentar o amor.
Quando ofereço meu ombro, quero acolher e confortar um amigo...
Quando brinco com meus cachorros, quero amor incondicional.
Quando ensino algo para a Fofoléti, quero deixar uma pessoinha melhor para este mundão.
Quando marco aulinhas, quero partilhar meu conhecimento.
Quando passo o número no whatsapp, quero ser a primeira a saber das fofocas! ;) Amigaaaaaa, preciso te contar... Adoro!!!
Quando chamo para um café, quero que seja agora, quente e forte. Não gosto do morno.
Nem gosto de ficar em cima do muro.
Gosto de abraço apertado, de palavra que faz pensar, de pimenta e água com gás. Gosto de emoção, de montanha russa, de sol quente, frio intenso e temporais. Gosto de quase tudo e quase todos.
E gosto ainda mais de terminar um post, já pensando no assunto do próximo, porque samba enredo é isso: uma história  para ser partilhada, alguma coesão, um ir e vir de vivências mas, importante mesmo, é fazer mais, fazer melhor e seguir no grupo especial, de mãos dadas com vocês, que sempre me levam mais longe.

30 abril 2016

3, 2, 1 ... (Re)Começando!


 
Que caminho longo eu percorri da última postagem no blog até chegar nestas palavras. 
 
 
Praticamente 7 meses passaram. Era primavera, passou o verão e agora estamos num início de outono, que não faz feio para o inverno no Sul do Brasil.
 
Tanto tempo sem escrever?
Pois é, realmente fiquei bastante tempo sem escrever. Admito minha fraqueza.
Tempo sem fotos?
Algumas fotos foram tiradas, mas com uma frequência bem menor que a usual. Reconheço a preguiça.
 
A casinha fechou? Foi isso?
Não, claro que não! Definitivamente não! Vira essa boca pra lá.
Ela continua firme e forte graças a Deus.
Seguimos com a produção, as encomendas, os bazares, só mesmo as aulas que foram retomadas parcialmente e devem voltar com tudo no mês de junho. Inclusive, as aulas temáticas que vocês tanto gostam e a possibilidade de turma para iniciantes.
 
Então o que foi aconteceu?
Eu, Ana Paula, fechei para balanço. Dei um tempo. Me calei.
 
Deprimiu? Desmotivou?
Que foi? Cansou?
Esqueceu dos 'Fofuxos e das Fofolétis'?
Não, não e não.
 
Foi o luto por causa do falecimento do teu pai e da tua avó, comentado no último post?Talvez  um pouco, mas no fundo acho que apenas me liberei da 'rede social', no caso rede como emaranhado, amarras...
 
Me cobrei menos, me exigi menos, me deixei sentir mais, me escutei mais, me permiti mais, me libertei mais.
Fui mais eu num tempo só meu, fui menos agenda (o que não significa menos compromissos), menos relógio e mais foco, menos lista TO DO, menos check list do dia, mais tempo ao tempo, mais vida no ritmo dia/noite. Fui menos despertador e mais despertar.
 
As redes sociais são excelentes ferramentas, aproximam familiares, amigos, trazem clientes queridos até a nossa casinha, e sou fã delas. 
Umas demandam mais tempo e dedicação, outras são mais instantâneas, entretanto, por um momento ou no caso, estes meses, não senti vontade de escrever, nem de compartilhar, as vezes nem mesmo produzir as fotos dos produtos da casinha, algo que eu adoro fazer. Não escrevi aqui e postei BEM menos no Facebook e no Instagram.
 
No inicio me cobrei(e muito), depois desencanei e aí sim, me desamarrei!
Deixei o vento ditar a velocidade do barquinho, sem traçar um prazo, um rumo, um porto. Não fiquei a deriva, não me perdi, naveguei com cuidado, segui os planos, mas a carta náutica, foi só minha.
Sabia que em um determinado momento, a vontade de retomar esse contato aconteceria, fluiria naturalmente, o laço é forte, é lindo e eu não quis transformá-lo em um nó de marinheiro, apertado e difícil de desfazer.
 
Nesse tempo, mesmo sem as fotos, mantive as unhas bem feitas...
 
o sorriso no rosto, mesmo com zero maquiagem.


 
A atividade física de todo dia que me dá energia foi mantida na academia, também morri muito morro acima e rolei muito morro abaixo pelas estradinhas rurais do município.
 
...Uma comidinha mais equilibrada e colorida tem aparecido nas refeições:
 
O check up médico, só me deu lentes novas de presente e um cuidadinho com a vesícula. Nada grave e facilmente solucionado. 
Literalmente, vejo o mundo com outros olhos, após esse meu 'retiro'. Vejo tudo mais pertinho! ;)
 
 

Nesse intervalo, não faltou costura nem o café de toda hora!
 
Não faltaram brincadeiras com a sobrinha Fofoléti, nem passeios pertinho ou mais longe...
Sobraram bons momentos e uma boa dose de diversão com os cachorrinhos, mais uma peludinha adotada(ou seria adorada!) veio morar aqui, a Pópi.
 
 
Escrevi tanto, apenas para dizer que nesse tempo, compartilhei menos os meus momentos e do trabalho artesanal da minha casinha, desculpe se deixei muitos de vocês preocupados comigo, com o sumiço, desculpem se a ausência incomodou.
 
Foi chato mesmo, mas foi preciso!
Eu sou forte, mas não sou uma fortaleza.
Sou determinada, mas as vezes a vida impõe o ritmo dela.
Puxei o freio, mas não parei.
Ouvi mais o meu coração do que a razão.
Fui menos máquina e mais gente.
 Ouvi o sopro do vento, vi as folhas do outono caindo e como as árvores, despi aqui pra vocês minhas fraquezas, meu luto, minha saudade, meu tempo de 'retiro virtual'.
 
Está tudo legal! Tudo certinho, tudo nos eixos...
Tudo em ordem.
 
 
Tudo 'joínha'!
Eu do meu jeito. O jeito Ana de ser: 
Quietinha e em ebulição.
Que não dá ponto sem nó.
Que alinhava antes de costurar.
Que faz rascunho e passa a limpo.
Que é cri-cri, que resmunga, que cai e levanta.
Que borra a maquiagem, se descabela, se desespera, depois lava o rosto, cola o sorriso na cara, dá a mão e acredita que sempre pode ir mais longe.
Que sempre pode fazer mais e melhor.
Que no fim, tudo dá certo.
Que a felicidade é melhor do que a tristeza.
Que toda mudança traz algo bom.
Que o silencio é amigo.
Que escrever é libertador. :)
 
Este foi o tempo o tempo que precisei para sentir falta e voltar com tudo. Foi um tempo só meu, para achar de novo o equilíbrio, administrar a saudade, encontrar a segurança e a determinação que me movem.
 
Para festejar o retorno, o dia do trabalho e a chegada de maio, o mês mais legal do ano, segunda começa mais um Bazar na Faculdade. Mais uma vez, marcaremos presença lá, com o time da alegria, do sorriso gratuito, com a galerinha do bem e super alto astral.
 
 
De segunda a quinta-feira, no turno da noite, estarei na Faccat, compartilhando ao vivo o meu sorriso e as lindezas do Atelier Caseiro.
Aproveitem para escolher o presente da Mamãe, aproveitem para comprar algo artesanal, porque #artesanalétrilegal. Espero vocês!
 
Beijo no ♥ !


20 setembro 2015

Do luto para luta!

"Mas é claro que o sol /
vai voltar amanhã /
mais uma vez/
eu sei..."
(Mais uma Vez - Renato Russo)
 
Hoje, o post começa com música. Esta em especial, tem sido um mantra para todo amanhecer, apesar da sequencia de dias chuvosos neste final de inverno gaúcho.
Quem acompanha o Atelier Caseiro no Facebook, ou no Instagram @ateliercaseiro está a par dos acontecimentos que me fizeram puxar o freio. Quem só segue o blog, deve ter estranhado o tempo ainda maior decorrido da última postagem, a ausência das aulas temáticas e o meu sumiço. A casinha não fechou!
 
Agosto começou bem, num ritmo acelerado, já com vistas aos bazares e as vendas de final de ano. Mas, o que vinha bem desandou e o mês se encerrou de modo muito, muito triste. :(
No dia 28, faleceu meu Pai, meu amigo, fã da casinha, meu alicerce. De forma repentina, num piscar de olhos, os dele não se abriram mais.
No dia 31, foi a vez de minha avó materna fechar os dela.
Sim, em aproximadamente 48 horas, duas despedidas doloridas.
 
Racionalmente, sei que um dia todos nós iremos morrer, que a missão foi cumprida, que faz parte do ciclo de vida. Na prática, perder alguém que se ama(muito) é muito ruim. Dói!
Dá saudade.
Não dá vontade de fazer nada.
As lembranças pipocam a todo instante.
 

Encarar a realidade não é fácil. Eu sabia que não seria e ninguém me disse o contrário. É bem difícil conviver com a ausência.
Felizmente, sempre tive para mim que no coração as distâncias não existem e somos vizinhos daqueles que amamos. Sempre e para sempre estaremos juntos dentro do peito. Isso não muda a ausência, mas me conforta.
O conforto também veio da família que segue e das tantas mãos estendidas, que me seguram de pé.
Foram tantas mensagens, recados, telefonemas, abraços esmagantes, tanto carinho de perto, de muito longe que nada do que eu diga será capaz de traduzir minha gratidão e nada do que eu faça será capaz de retribuir todo o carinho.
#mimadasim #gratidãosemfim

 

Caixinha conforto como a que a Andrea me enviou, caneca linda enviada pela Rafaela, com cartinhas transbordando de amor, não tem preço.
Colega da época de estágio de Psicologia que canta e toca violão divinamente e que envia a versão dele para a música 'Mais uma vez' do Renato Russo, via whatsapp também é impagável. Wladmir, eu só não furei o LP ouvindo, porque o mundo moderno nos trouxe a música digital. ;)

São atitudes como estas que fazem a mais pura tradução de amor ao próximo, de gentileza, de acolhimento.
Já disse e repetirei mil vezes que eu tenho os melhores amigos que alguém pode ter e, por mim, pela minha família, por vocês, também pelo meu pai e minha avó é que a vida precisa seguir! ♥

Bem devagar, estou voltando. Sem me impor prazos insanos, sem pressa, respeitando o tempo de juntar meus caquinhos e por os tijolinhos desta casinha de pé, estou retomando a rotina.
 
Tal qual os soldadinhos da foto acima, organizo meu exército interno para seguir lutando, seguir enfrentando as dificuldades, seguir com garra fazendo mais e melhor.
Ontem, levada praticamente pelas mãos da amiga e aluna Juliana Oliveira, fui para Gramado-RS prestigiar o último dia do Festival Internacional de Quilt e Patchwork.






 
Vimos vários trabalhos lindos como os das fotos acima, é tanto talento nas costuras. Beleza que salta aos olhos!  
Fui com sorriso meio amarelo, sem muita vontade de socializar, abaixo de chuva e dia cinza. Mas, foi muito bom.
Fizemos algumas comprinhas, almoçamos um papá delícia, tomamos chimarrão e depois voltamos para casinha.
Obrigada Jujuba por me aguentar assim: meio pilha fraca!

Hoje, 20/9, dia da Revolução Farroupilha, a certeza de que não dá para fugir, não dá para fingir que está tudo normal, não dá para ficar no cantinho alheia ao mundo. 
Então, 'bóra para peleia.

Encomendas estão suspensas até que tudo se organize, até que as que já estavam agendadas sejam despachadas e principalmente, até que EU me reorganize.
Mas, já tenho algumas atividades na agenda, dia 3 de outubro aula fofoléti e temática confirmada, com turma lotada.
Provavelmente outubro terá mais uma data de aula, talvez na cidade de Igrejinha-RS, em ritmo de Oktoberfest e provavelmente de costura zig-zag. Ein Prosit!

Novembro teremos bazar na cidade e faremos um mini openhouse para convidados na capital. Também teremos aula temática e festa de Natal.

Dezembro, além de dar conta das listas de Natal, que Fofuxos e Fofolétis já estão pedindo ao Papai Noel, teremos a Culinária com Amor, aquela edição limitada e gostosa de comidinha caseira e deliciosa. Como sempre, para Culinária só aceitaremos pedidos locais, indicaremos nas nossas redes sociais as datas para pedidos e os horários de entrega ou retirada na casinha.


E assim, com minha rosa folhada de maçã, um post tudo junto e misturado, um dia por vez, eu agradeço a paciência de quem leu até o fim.
♥ Amo muito vocês, Ana Paula.

27 julho 2015

Aula de Costura Temática > Itália!

Aulas temáticas requerem um planejamento, um cuidado prévio para que no dia tudo esteja de acordo com a expectativa dos alunos. 
Dá um certo trabalhinho executá-las, mas adoramos uma muvuca! Os desafios, são encantadores.
E, foi assim, com uma trilha sonora para lá de italiana, que no sábado passado abrimos as portas desta casinha e viajamos para Itália.
Mais do que uma aula, foi uma grande festa!
 
 
Naturalmente, Itália, significa mesa farta. E foi.
Bolinhos de castanha sem cobertura, e com cobertura leite condensado e Nutella. Sanduíches de pasta rosa. Guloseimas. Biscoitos...
 

 
 
Tempero? Não faltou. O Azeite de Oliva, foi aromatizado com alecrim e pimenta dedo de moça da horta da Mamma e as garrafas foram as lembrancinhas da aula. 

Vale lembrar, que não era dia de Culinária com Amor.
O dia foi da costura e ela veio cheia de graça!
Minhas alunas costuraram um porta travessa como este da foto abaixo, com tecido  de estampa italiana do lado externo e um clássico xadrez em verde e vermelho na parte interna. Aliás, as cores verde e vermelho, confundiram muita gente e todos estavam apostando no tema do Natal. Não, ainda não era dia de Papai Noel.
 

 
Na aula também ensinamos o canto mitrado para toalhas e guardanapos de pano! Perfeitinho e delicado.
 
É ou não é divertido passar umas horas assim com costuras, papá delicia e risadas entre amigas? É uma delícia e é assim, tudo junto e misturado.
Vou contar um segredinho, teve aluna que dançou a Tarantella! E foi demais. E teve Querida fazendo visita surpresa e dando muitas risadas conosco!
 
 
Momento, já posso morrer de orgulho da minha aluna mostrando que aprendeu a fazer o pontinho invisível com perfeição?
Uns nem ligam, mas eu me emociono com a dedicação que estas meninas têm para aprender a fazer mais e melhor!
Eu me encanto com o empenho delas e adoro ver o tanto que crescem a cada aula. Sempre cheias de ideias, com perguntas construtivas, com sede de aprender e fico feliz por ajuda-las nesse caminho de paninhos e linhas.
 
E nossa aula acaba com a peça pronta, porque terminar em casa não tem graça e elas já sabem que a foto final, a mais clássica, é a costura finita.
 
Neste dia, além de felizes com a aprendizado, elas saíram cheias de planos de encher a marmita na casa dos amigos... Ih contei. Hahaha!

E depois de uma manhã assim, eu estava orgulhosa, cansada, feliz e muito grata pelo trabalho que tenho.
Grata, por ter uma turma lotada e um tanto de Fofolétis esperando vagas e novos horários. Tenham certeza de que todas vocês terão uma chance, estamos trabalhando por mais horários. Só peço, mais um pouquinho de paciência.
E que venha agosto e que venha leve, que nos traga sorrisos e muita diversão.
Auguri